terça-feira, 14 de setembro de 2010

A Era Fútil


Que fútil a guerra sem sentido
que se esconde e não é herói,
Qualquer compaixão seria abrigo
da ilusão que não se destrói.

Que fútil a morte sem dor
que se ignora e não dói,
Qualquer amor seria traidor
da saudade que não se mói.

Que fútil a vida sem caroço
que se consome e não constrói,
Qualquer árvore seria esboço
do âmago que não se rói.

A Era Fútil,
Qualquer mudança seria útil
da esperança que não se corrói !

________
Vamaloso
________

Foto : Google

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Nosso mouchão ( em Lisboa )


Nosso mouchão confluente,
as suas colinas e um castelo no alto
as suas ruas e um terreiro intemporal
nosso chão de oriente a ocidente…

Nosso mouchão confidente,
do teu veio doce de planalto
do meu veio tempero de sal
nosso chão de nascentes e poentes…

Nossa varanda de ternuras,
miradouro num quarto de pinturas
adormecemos quando acorda Lisboa.
________
Vamaloso
________

Foto : Google

sábado, 4 de setembro de 2010

Sonho


Nunca saberei a que horas chegas
sempre tarde quando te quero cedo,
Sempre vens e sempre aconchegas
nunca partes sem mais um segredo.

O meu sonho é árvore em vaga de um poema,
espuma viva que beija terra e planta um verso!

________
Vamaloso
________

Foto : Google