sexta-feira, 26 de março de 2010

O Olhar (O Teu)


O olhar que olha e que quer ser olhado
nos braços que abraçam amor abraçado,
O beijo que beija e que quer ser beijado
o sorriso da boca em olhar bem fechado.

Sempre o teu olhar o principal culpado
que me enreda nesse beijo entrelaçado,
Sempre o teu olhar e afinal doce recado
certa labareda de puro amor reclamado.
________
Vamaloso
________
 
Foto : Google

sexta-feira, 19 de março de 2010

Barcos de Papel


São mais que simples barcos de papel
que levam todas essas minhas crenças,
Lanço um e mais outro num mar de fel
de palavras em ondas de recompensas.

Barcos escritos para teus olhos de mel
que navegam e se afogam em conforto,
Lanço um num sopro de flauta de sisel
cumpre papel encalhando no teu porto.

Letras as tábuas são remos das palavras
que fazem de frases sentidas a sua vela,
Altivos nas ondas de espuma que lavras
cada meu barco de papel a tua caravela.
________
Vamaloso
________

Foto : Google

sábado, 13 de março de 2010

Neve em Barcelona (8 Março de 2010)


Pena de pomba branca brincando com o vento
beijando a minha janela escolheu ficar e sorriu,
Penas brancas despertavam a cidade ao evento
rodopiando as gentes como nunca ninguém viu.

Dia da Mulher o mais perfeito vestia Barcelona
escrita no branco das ruas momentos de poemas,
Olhar cúmplice em todos um sorriso que abona
frios flocos neve que contarão em quentes temas.

________
Vamaloso
________

Foto : Google

sexta-feira, 12 de março de 2010

A Ilusão


Sei que tudo não passava de uma mera ilusão,
a ilusão de não poder sair da tua negra cartola.
O dia era véu negro nas grades de uma gaiola,
e esperei na luz da noite para voar da tua mão.
________

Vamaloso
________

Foto : Google

sexta-feira, 5 de março de 2010

O Limite


Aquele lugar até ao limite era aconchego
desperto no crescer pelo múltiplo sonho,
Ao sabor do batimento a voz era sossego
naquela bolsa mágica de líquido risonho.

Solto ao ar ao limite nas barras do berço
certo choro no pequeno mundo suspenso,
Segura coragem pano de fralda em lenço
a surpresa das coisas e cores em ascenso.

Pés no chão ao limite dessa terra de terço
sorte corrida de lés a lés em voraz apetite,
Existe nesse espaço a viagem que mereço
porque o limite está dentro doutro limite.
________

Vamaloso
________

Foto : Google